>O Ministério da Cultura voltou atrás e autorizou os produtores do músico baiano Caetano Veloso a usar os benefícios fiscais da Lei Rouanet para bancar os shows de divulgação de seu último CD, o “Zii e Zie”.

Com a decisão, os produtores de Caetano foram autorizados a captar R$ 1,7 milhão. O valor representa R$ 300 mil a menos do que os R$ 2 milhões solicitados originalmente. Como condição, o ministério exigiu a redução dos ingressos, para R$ 40 e R$ 20 (inteiro e meia entrada). Sem o benefício da lei Rouanet, o tour de Caetano cobra entradas de até R$ 200 reais.

A decisão foi publicada no “Diário Oficial da União” desta segunda-feira (22), assinada pelo secretário-executivo adjunto do ministério, Gustavo Carneiro Vidigal Cavalcanti.

A decisão encerra, a favor dos produtores de Caetano, uma polêmica que já dura um mês. No dia 21 de maio passado, a Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), que analisa os projetos aspirantes ao benefício da Lei Rouanet, decidiu que o “Tour Caetano Veloso”, no valor de R$ 2 milhões, não precisava de incentivo por ser comercialmente viável.

Mas Juca Ferreira, Ministro da Cultura, interviu.

Segue o “print” do Diário Oficial da União onde consta a aprovação.

O sentimento é de tristeza. Não com Caetano e sua produção, que tem mais é que “correr atrás” mesmo, mas com esse Ministério, que prioriza artistas consagrados, em detrimento dos que buscam um lugar ao palco.

Quantos artistas “iniciantes” poderiam ser atendidos com R$1.788.880,00 ?


Fica a pergunta….
Anúncios